Fenícios: Economia, Política, Religião e Cultura do Povo

O território fenício se encontrava onde hoje é o atual Líbano e parte da Síria. Eles eram povos de origem semita e por volta de 3000 a.C. se estabeleceram em uma estreita faixa de terra entre a região montanhosa do Líbano e o Mar Mediterrâneo.

Devido a geografia do local em que habitavam, a terra era pouco fértil, e devido a este motivo eles sobreviviam da pesca e comércio marítimo e por isso eram conhecidos como o Povo no mar o que também cooperou com o desenvolvimento da Astronomia.

Economia dos Fenícios

fenicios

O território onde estava localizada a Fenícia era também muito propício para o comércio marítimo pois estava bem no escoadouro das caravanas comerciais que vinham da Ásia, além de ser uma região rica em cedros que eram uma ótima obra prima para a construção de navios.

As águas que beiravam a civilização eram ainda ricas em molusco do qual se extrai a púrpura, muito procurada pelas elites de diversas regiões da época pois era utilizada para tingir tecidos na cor vermelha.

Sendo assim sua principal fonte de renda vinha do comércio marítimo, porém eles também eram artesãos e chegaram até a inventar o vidro.

Política dos Fenícios

A Fenícia nunca foi um país unificado, na realidade era formado por um conjunto de pequenas cidades-estados como por exemplo, Biblos, Tiro, Sidon e Arad e cada uma delas possui um governo próprio, podendo até mesmo lutar umas contra as outras ou serem aliadas.

O política era chamada de Talassocracia que deriva do Grego e significa “poder/força do mar, onde Thálassa = mar e Kratia = poder/força.

Religião

Quanto a religião, as crenças dos povos semitas foram preservadas, sendo assim eles possuíam uma religião antropomórfica e politeísta tomando como divindades as mesmas comuns aos povos asiáticos, as terrestres e celestes.

Porém, por mais contraditório que parece, não deram nenhuma importância às divindades aquáticas.

Cada uma das cidades possuía um deus assim como hoje em dia possuímos as padroeiras das cidades, a ideia basicamente é a mesma.

Sacrifícios de animais e humanos eram comuns como oferendas para agradar os Deuses e, certa vez, foram queimados cerca de 200 recém nascidos ao mesmo tempo, enquanto suas mães assistiam ao sacrifício.

Cultura

A cultura deles foi muito influenciada pela cultura dos países que eles comercializavam, realizavam danças e música para cultuar suas divindades e os historiadores identificaram poucos traços originais da sua própria cultura de tão forte que era a influência dos outros povos.

Alfabeto/Escrita

Sim, foram os fenícios que criaram a escrita, fizeram isso para facilitar as comercializações, controlar e organizar as negociações.

O que diferenciou o alfabeto fenício dos egípcios e babilônios, por exemplo, é o fato de que possuía fonemas, e não era baseado em símbolos.

O alfabeto fenício era composto por vinte e duas consoantes, apenas, e este serviu como base para a criação do alfabeto grego, que originou.

Por sua vez, o alfabeto latino, e este por fim, originou o nosso querido alfabeto brasileiro além de outras línguas ocidentais que foram baseadas na escrita latina.

Fim da Fenícia

O rei da Pérsia, Ciro II, conquistou a Fenícia e estes fugiram e fundaram Cartago, que futuramente viria a lutar contra o império romano nas Guerras Púnicas, sendo derrotados e acabou que pouca coisa restou dos Fenícios.

Fonte: www.historiageral.org